quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Um ano novo sem promessas nem resoluções


Não há promessas e resoluções este ano... Há agradecimentos.


Pela a paz que invadiu meu coração e que conseguiu ser a sensação dominante mesmo em meio a tantos acontecimentos que poderiam ter me tirado o sono muitas vezes, obrigada.


Pelas poucas noites sem dormir, em meio à angústias e vaidades, obrigada. Somente por estes momentos existirem que consigo valorizar essa leveza que me domina. Somente por estes momentos posso perceber o caminho que ainda há para ser percorrido na aceitação de que tudo é perfeito.


Pela força que tantas vezes me fez dizer "não", colocar limites, decidir por aquilo que era melhor pra mim, sem culpas e sem medos, obrigada.


Pela flexibilidade que me fez saber quando dizer sim, mesmo querendo dizer não, obrigada.


Pelas alegrias e tristezas que me ensinam que a vida são ciclos, que tudo passa e portanto é fundamental viver cada momento intensamente, obrigada.


Pela oportunidade de ter tido meu avô por mais de 30 anos, muito, muito obrigada.


Pelos aprendizados, independente dos meios pelos quais eles chegaram à mim, obrigada


À todos os seres de luz que me acompanharam ao longo desse ano, e àos das sombras também, o meu obrigada.


À família maravilhosa que me recebeu, de braços abertos,  nesta jornada na Terra, vocês são, de longe, o maior presente que poderia receber na vida. Muito obrigada.


À todos os meus amigos, antigos e novos, de longe e de perto, mas que estiveram torcendo por mim, me estendendo as mãos e me apoiando em cada passo do caminho, de coração, obrigada.


Por poder medir esse ano em grandes momentos de amor, MUITO, MUITO OBRIGADA!


E a vocês, desejo apenas que possam sentir essa paz, essa completude que estou sentindo hoje. Um mais que feliz 2012 pra todos vocês!!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Simples assim...


Eu costumava a achar que nós mulheres éramos confusas e mal resolvidas... Tá certo. Muitas vezes somos... em especial confusas... Mas quando foi que as coisas ficaram tão complicadas?

Quando foi que uma pergunta passou a precisar de tanto tempo para ser respondida?? O que aconteceu com o "sim" ou "não"?? "Não sei" também resolve... Por que a necessidade de elaborar, desenvolver e complicar aquilo que é tão simples?

Como foi que ficou tudo tão pesado??

Não quero tratados, porques ou explicações... Não preciso disso... Eles não fazem nenhuma diferença prática...

Não quero complicar sentimentos simples, nem estou em busca de definições ou promessas... Não estou nem aí pra nada do que aconteceu no passado, nem estou preocupada com futuro... Passado e futuro não me servem pra nada...

Estou tentando decidir uma questão simples: qual é a melhor maneira de eu agir agora? Pra definir isso, busquei uma informação importante, cuja a resposta eu não tinha claramente...

Não quero transformar nada em problema, não quero complicar nada, não quero a paranóia do "o que isso significa?"
Não significa nada...

Me cansa a defensiva, quando não há nenhum ataque...

Quero as coisas leves e simples...
Quero DEScomplicar...

A  vida é curta... Não tenho tempo pra não ser feliz...
E pra ser sincera, desaprendi como fazê-lo...