quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Eu...

Sou feita de opostos
Da alternância constante entre o quente e o frio, coberta com uma camada de auto-controle que faz tudo parecer em estável.
Mas tente não se enganar com isso 
As correntes por baixo do mar tranquilo têm uma força inimaginável ao observador desatento,
 mas o farão afogar-se.

O óbvio me entedia
O medíocre me aborrece.

Amo incondicionalmente,
Choro compulsivamente
Vivo intensamente

Meus sentimentos são todos fortes e não tenho medo de vivê-los
Alegria, tristeza, medo, raiva e todas as variantes têm morada garantida em meu peito

Adoro lembranças inesquecíveis, viradas imprevisíveis, amores impossíveis
Mas você não vai perceber isso à primeira vista
Nada em mim é gritado aos quatro ventos

Sou um livro aberto
Mas você tem que ter o trabalho de lê-lo.

domingo, 23 de outubro de 2011

Tudo igual e tão diferente




Eu fiz de novo.

Mais uma vez sigo em frente cometendo sempre os mesmos erros, tropeçando nas mesmas pedras que eu já sei que estão pelo caminho...

Mais uma vez me pego caminhando em direção ao mesmo precipício, ouvindo as vozes que me pedem para me jogar e sentir a adrenalina e a sensação de plenitude da queda.

Mais uma vez eu me aproximo um pouco demais do fogo por me faltar o medo de me queimar...

Mas desta vez algo me pára no meio do caminho... desta vez algo mudou...

Agora consigo ver claramente os sinais que antes preferi ignorar...

A forma como seu mundo ainda orbita em torno dela... A indiferença, não no sentido negativo da palavra, mas naquilo que ela estritamente representa...

Agora consigo olhar pra mim e me enxergar muito melhor... o que sou, o que quero, o que mereço.

E enquanto esses sinais passam pelo meu caminho olho para frente e vejo o que me aguarda... "Espera!!" Escuto uma voz me dizer - "Vale a pena?" E consigo, em paz, dar meia volta, e abrir mão daquilo que não me serve mais.

A voz na minha cabeça? É a minha.

Não, não é o medo mais que me pára. O nome disso é auto-estima...